• Pablo Almeida

Seguro de Vida: Planejamento e sucesso | Coluna Pablo Almeida

Pablo é formado em Administração pela Universidade Mackenzie Rio.


Que o custo com filhos é alto, todo pai e mãe já sabem. Mas, alguém já parou para fazer essa conta? Qual o custo com fraldas, roupas, remédios, planos de saúde, entretenimento, escola, entre muitas outras coisas? E o que isso tem a ver com seguro?


Eu te digo que isso tem tudo a ver! Porém, primeiro, vamos às contas:


Há várias fontes onde se pode ter uma noção desses custos. Vamos nos ater aos custos de nossos filhos até os 23 anos de idade que é o ponto onde acredita-se que nossos pequenos já estejam, digamos, bem encaminhados.


Custos como os descritos acima podem variar de 200 mil até 2 milhões de reais, a depender do planejamento e de nossas possibilidades. Lembrando, estamos abordando apenas 1 filho!


Agora, imagine a situação onde o (a) maior provedor (a) da casa venha a faltar? Como ficaria a situação, não só de seus filhos, mas de sua família de modo geral? Estaria protegida ou fragilizada?


Especialistas em finanças pessoais indicam que mesmo antes da concepção do bebê, se faça um planejamento completo para que nada lhe falte. Estamos falando, claro, de um bom plano de saúde e uma boa previdência privada infantil, também não podendo faltar no seu planejamento um seguro de vida.


Pense por um momento nas milhares de pessoas que pensaram como você e que hoje se encontram fragilizadas nesse momento de pandemia? Alguém contava com tal situação mundial? Você tem confiança plena no nosso INSS?


Nunca é tarde para tal planejamento financeiro, mas não deixe para depois. Proteja a sua família, seus filhos e a si próprio. Sim, a si próprio!


Em um exemplo comum, muitos pensam: “não vou fazer um seguro de vida pra deixar o dinheiro pro Ricardão”. Sem problemas, tenho 22 anos de estrada e isso é muito normal de se ouvir. Agora, pense comigo na seguinte situação: você se acidentou no trabalho ou no trânsito, que seja, e (numa situação hipotética) infelizmente perdeu a capacidade motora e ficou numa cadeira de rodas, - ainda que temporariamente, mas sem poder trabalhar. Mas você fez o seguro de vida... Ah! Perdão, você não fez, lembrei do Ricardo. Então, sinto lhe informar que o distinto Ricardo poderá acabar cuidando de você e de seus filhos e não queremos isso, correto?


Ao contrário do que muitos acham, o seguro de vida não cobre somente morte. Cobre também invalidez permanente ou temporária, diárias de incapacitação de trabalho entre outras coberturas para o próprio segurado.


Proteja a todos, menos (até) o Ricardo!

As opiniões contidas nos textos dos colunistas não refletem necessariamente a opinião da Gazeta Conectada.


Colunas da Gazeta Conectada

PUBLICIDADE

Stories Restaurante de Sushi - Propaganda.png